10 de maio de 2009

exílio, diagnóstico diferencial

"Quem é ele? Um exilado. Termo a não confundir, a não aproximar de todas as outras palavras que por aí circulam: emigrado, expatriado, refugiado, imigrante, silêncio, astúcia. O exílio é um sonho de regresso glorioso. O exílio é uma visão da revolução. Elba e não Santa Helena. É um paradoxo interminável: olhar em frente com os olhos sempre voltados para trás. O exilado é uma bola impetuosamente atirada ao ar. Que fica suspensa, parada no tempo, traduzida numa fotografia; privado de movimento, pairando impossivelmente acima da sua terra natal, ele aguarda o momento inevitável em que a fotografia começa a mover-se, e a terra chamará a si o que lhe pertence. É nestas coisas que o Imã vai pensando. O seu lar é um apartamento alugado. Ele é uma sala de espera, uma fotografia, apenas ar.” (Rushdie, S.*)

1 comentário:

  1. (*2008(1988), Os versículos satânicos, Dom Quixote, 239)

    ResponderEliminar